quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

A tautologia no cotidiano

O que é tautologia?

É o termo usado para definir um dos vícios de linguagem. É um dos erros mais comuns, cometidos pela pessoas no uso do vernáculo, seja na comunicação escrita ou oral. Consiste na repetição de uma ideia com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido. Tautologia tem o mesmo significado que pleonasmo, ou redundância.
 
O exemplo clássico é o famoso 'subir para cima' ou o 'descer para baixo'. Mas há outros, como se pode ver na lista a seguir:

- elo de ligação (todo elo é de ligação, pois não?)
- acabamento
final (se é de acabamento, é o final...)
- certeza
absoluta (a certeza é sempre absoluta!)
- nos dias 8, 9 e 10, inclusive. (inclusive o que?)
- juntamente
com (impossível é juntamente sem...)
- expressamente
proibido (então é proibido, mesmo?)
- em duas metades
iguais (é divertido ver metades diferentes)
- sintomas
indicativos (se é sintoma, é porque indica algo)
- há anos atrás (é impossível "há anos à frente")
- vereador da cidade (uns ganham salários, outros não...)
-
outra alternativa (das melhores, só perde para subir pra cima)
- detalhes
minuciosos (imagine detalhes gerais)
- a razão é porque (é porque não tem razão....)
- anexo
junto à carta (e se o anexo perdeu o trem?)
- de sua
livre escolha (imagine se fosse obrigatória)
- superávit
positivo (caso contrário seria prejuízo)
- todos
foram unânimes (a unanimidade continua burra)
- conviver
junto (porque se vive junto, mas separado...)
- fato real (a ficção desmente a realidade...)
- encarar
de frente (tem olho na nuca, ou tá de soslaio!)
- multidão de pessoas (muitos idiotas...)
- amanhecer
o dia (prefiro a noite, que é uma criança...)
- criação
nova (ou é cópia nova do antigo?)
- retornar
de novo (hors concours, campeoníssimo!!!)
- empréstimo temporário (que Deus te pague...)
- surpresa inesperada (foi fofoca, contaram antes...)
- escolha
opcional (não sabe definir o que quer...)
- planejar antecipadamente (não planejou, aí dançou...)

- abertura
inaugural (sem discursos, pelo menos isso)
-
continua a permanecer (é insistente, mesmo!!!)
- a
última versão definitiva (se fosse opção definitiva)
-
possivelmente poderá ocorrer (essa é mineirice...)
- comparecer
em pessoa (pois irá em espírito...)
- gritar
bem alto (prefiro os sussurros...)
- propriedade
característica (essa é tautológica arraigada...)
-
demasiadamente excessivo (outra mineira...)
- a seu critério
pessoal (quem sabe critério animal?)
- exceder
em muito (tautologicamente pleonástica...)
- eu pessoalmente (idem acima, mas embute egolatria)
- urgência urgentíssima (campeã da tautologia, é oficial) 


Portanto, fique atento às expressões você que utiliza no seu dia-a-dia. Não deixe acontecer com você o que se passou com um deputado federal, aliás, recentemente eleito, ao circular pelos corredores da Câmara dos Deputados. Ele estava com um olho inchado, por causa de uma infecção. Ao encontrar um colega, este perguntou-lhe: - o que é isso no seu olho, nobre deputado? Respondeu que era uma conjuntivite. Mais adiante outro deputado perguntou o que era aquilo, e ele respondeu que era uma conjuntivite no olho, mas o deputado, que era um linguista, corrigiu-lhe, afirmando que poderia ser conjuntivite, mas que, antes de tudo, aquilo era um pleonasmo. O novato deputado ainda não entendeu nada sobre seus novos companheiros...

3 comentários:

Richard Jakubaszko disse...

E viva a blogosfera! Só com a leitura, que na internet é de graça, as pessoas conseguem aprender, e, com isso, melhorar sua qualidade de vida.
Richard

zcarlos disse...

Obrigado professor, este post foi um plus a mais pra mim.
Abs!

DiAfonso disse...

Rsrs Cumpadi ZÉCarlos,

O sinhô num tá percebendo o "elo de ligação" entre "plus" e "mais"? rsrsrs

Abs!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...